Chapa Gueto concorre às eleições para o DCE da UEFS que terá início no próximo dia 17 de maio

10/05/2022

Ouvir a matéria:

Reunidos, alguns dos membros da chapa discutem o pleito / Crédito: Chapa Gueto

Nos próximos dias 17,18 e 19 de maio serão realizadas as Eleições para o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Após mais de dois anos de pandemia, o DCE está em processo de reestruturação e as eleições devem trazer de volta o caráter combativo e independente que, historicamente, os/as estudantes protagonizam na construção da universidade por meio de enfrentamentos para assegurar os direitos dos/das discentes, sem se furtar das lutas relacionadas aos demais integrantes da comunidade acadêmica, principalmente, contra o sucateamento da universidade.

A Chapa única que concorre ao DCE neste ano, chama-se Gueto, em referência aos locais de origem dos/das integrantes, como é explicado pelo grupo que busca ressignificar esses locais de exclusão social, como espaços de transformação conectando diretamente a pautas sociais que não se restringem aos muros da universidade. Refletir e discutir a cidade é uma das propostas da Gueto.


O princípio da inclusão já se apresenta na construção da Diretoria. A Chapa Gueto enfatiza que esta é uma construção coletiva que não deve se restringir à nominata registrada; a expectativa é de que mesmo aqueles e aquelas que não estejam concorrendo aos cargos, participem das tomadas de decisão, para além dos momentos de assembleia.


Diante dos avanços autoritários registrados no país, os/as integrantes da Gueto defendem uma maior politização de jovens e  deixam evidente que têm lado, o da defesa irrestrita da democracia, que neste momento, representam o combate ao bolsonarismo: “Acreditamos que é necessário um movimento estudantil combativo e que paute um processo de politização e radicalização política dentro da juventude Brasileira, pois só através disso conseguiremos impedir o avanço do fascismo, os ataques contra a educação pública e uma derrota efetiva de Bolsonaro e do bolsonarismo”, afirmam.


A crítica à conjuntura política apresentada pela chapa vai além da esfera federal. A Chapa Gueto expõe o governo Rui Costa nas suas tentativas de se passar por “progressista” enquanto ataca as universidades, não dialoga com docentes, além de não atualizar políticas de permanência para os/as estudantes. A Chapa denuncia que o programa Mais Futuro ficou mais de dois anos sem abrir edital para a entrada de novos/as discentes. Para além disso, o caráter violento que caracteriza a gestão de Rui Costa é destacado pela Chapa: “É  importante lembrar que o governo do estado tem uma polícia que é uma das que mais mata pobre e preto no Brasil, e esse modelo de militarização, defendido inclusive para as universidades, é defendido por Rui Costa e precisa ser derrotado”, afirma.


A violência política do governo municipal, com os episódios recentes de violência contra trabalhadores e trabalhadoras da educação, é destacado pela Gueto como políticas que devem ser combatidas de perto pelo DCE, que colocam como pautas  prioritárias a curto prazo: “A reorganização imediata do movimento estudantil da universidade; A questão do RU da UEFS, haja vista o processo desumano que os estudantes têm passado para acessá-lo vide a fila e os valores que aumentam inversamente proporcionais à qualidade do restaurante; O engajamento do DCE enquanto instituição e mobilizador da universidade nas causas que afetam a cidade de Feira de Santana; o estabelecimento de uma base de atuação que una os cursos da universidade em torno da construção de uma universidade no gueto e para o gueto”.


A reestruturação dos Diretórios Acadêmicos (DA’s) por meio da conscientização dos/das estudantes é uma das maiores dificuldades que devem ser enfrentadas pela gestão, se eleita; é o que analisam os/as integrantes da Gueto: “Justamente esse processo de conscientização dos estudantes sobre o nosso papel no enfrentamento aos ataques que nós sofremos, além de tudo um desafio que teremos será a reestruturação DA’s. Acreditamos que é fundamental o papel do DCE ajudar os estudantes a reestruturar os DA’s que estão sem gestão ou com gestão temporária”.


Confira a íntegra da entrevista concedida pelos/as integrantes da Chapa Gueto que concorrem às eleições da gestão (2022-2024) do DCE da UEFS e veja a nominata da Chapa, as propostas de reestruturação do movimento estudantil da universidade e perspectiva do grupo para a UEFS.


Leia a entrevista.

Leia Também


Nota de Pesar

Com profundo pesar, a Adufs comunica o falecimento do estudante do curso de Filosofia da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Ramon Cedraz Rios, ocorrido nesta sexta, 20 de maio de 2022, ...

Saiba mais

Fórum discute saúde do servidor da Uefs

O Fórum de Saúde e Segurança do Trabalho na Uefs reuniu-se para discutir a saúde dos trabalhadores/as nos espaços da universidade e planejar ações para a prevenção de acidentes e doenças ...

Saiba mais