Indígenas protestam em Brasília para denunciar escalada de violência contra seus povos

Na última quinta-feira (15), indígenas de nove povos e quatro estados realizaram uma marcha em Brasília (DF) para denunciar o aumento dos assassinatos de indígenas no país.Nas últimas duas semanas, pelo menos sete indígenas foram assassinados. Os povos cobram proteção e demarcação de suas terras.Participam da mobilização indígenas dos povos Apãnjekra Canela, Memortumré Canela, Akroá Gamella, Tremembé do Engenho e Kari’u Kariri, do Maranhão, Macuxi, de ...

Continue lendo...

Invasões de terras e mortes indígenas tiveram novo aumento em 2021

O relatório Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil – dados de 2021, publicação anual do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), traz um retrato devastador, fruto da política anti-indígena adotada por Bolsonaro e por seu governo de ultradireita. Os dados demonstram o aumento das invasões de territórios e da morte de indígenas. Em 2021, o Cimi registrou a ocorrência de 305 casos de “invasões possessórias, exploração ilegal de recursos e danos ao ...

Continue lendo...

Bolsonaro usa guerra para defender mineração em terras indígenas

O governo Bolsonaro está se aproveitando da guerra na Ucrânia para ampliar a sua guerra particular contra os povos indígenas e seus territórios no Brasil. É o que denunciam várias organizações e movimentos em defesa dos povos originários, diante de declarações de Bolsonaro e ações do governo nos últimos dias. Em suas redes sociais, Bolsonaro afirmou que com a guerra na Ucrânia o país corre o risco de sofrer com escassez de fertilizantes importados da Rússia, pelo ...

Continue lendo...

Governo Bolsonaro impede que Funai atue em terras indígenas não homologadas

No apagar das luzes de 2021, o governo federal lançou mais um ataque aos direitos indígenas. No dia 29 de dezembro, Alcir Teixeira, coordenador geral do Monitoramento Territorial, retirou da Funai a legitimidade para desenvolver atividades de proteção territorial nas terras indígenas ainda não homologadas.O caso só veio à tona na última semana, em denúncia realizada pelo jornalista Lauro Jardim (O Globo) e representa o avanço do desmonte dos órgãos fiscalizadores dedicados aos ...

Continue lendo...

Lideranças indígenas são presas por defenderem seu território

Um novo episódio de violência contra comunidades indígenas no Maranhão ocorreu nos dias 17 e 18. Cerca de vinte integrantes do povo Akroá Gamella, moradores da terra Taquaritiua, foram presos pela Polícia Militar, unicamente por resistir à presença de jagunços que invadiram o território a mando da empresa Equatorial Norte Energia. Armados e identificados como policiais, cerca de 60 homens ajudaram os funcionários da concessionária a dar início à instalação de torres de ...

Continue lendo...

Em meio à pandemia, invasões de terras e assassinatos de indígenas aumentaram em 2020

O Relatório Violência Contra os Povos Indígenas do Brasil - dados de 2020, divulgado na última quinta-feira (28) pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), apresenta o retrato de um ano trágico para os povos originários no país. De acordo com o levantamento, as invasões deterras e assassinato de indígenas aumentaram em 2020, em relação aos anos anteriores.Ou seja, nem a grave crise sanitária provocada pela Covid-19 impediu que grileiros, garimpeiros, ...

Continue lendo...

Governo sabotou ordem para implementar plano de contenção da Covid-19 entre indígenas, relata Conselho

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) denunciou na 48ª sessão do Conselho de Direitos Humanos (CDH) das Nações Unidas (ONU) o descaso e a omissão do governo brasileiro no combate à pandemia entre os povos indígenas. A gravidade da situação desses povos, ameaçados em seus territórios por invasores em plena pandemia, levou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) a emitir medidas cautelares em favor dos Munduruku, Yanomami e Ye’kwana, ainda em 2020, e dos ...

Continue lendo...

PGR posiciona-se contra marco temporal para demarcação de terras indígenas no STF

"O Brasil não foi descoberto, o Brasil não tem 521 anos, não se pode invisibilizar os nossos ancestrais que nos legaram esse país", afirmou o procurador-geral da República, Augusto Aras, na quinta-feira (2), durante o julgamento do Recurso Extraordinário 1.017.365/SC pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que trata do "marco temporal", tese que determina que os povos originários só teriam direito às terras ocupadas na data dapromulgação da Constituição, 5 de outubro ...

Continue lendo...