Ano X - Edição 484 - 30/10/2018
Contexto atual exige a intensificação da luta - Foto: Professores da Uefs

Professores da Uefs foram às ruas a favor da democracia

Mobilizados contra o avanço do fascismo no país, os docentes da Uefs intensificaram, principalmente nas últimas semanas, os protestos no campus e nas ruas de Feira de Santana. A polarização do processo eleitoral, no qual predominou a naturalização do discurso da intolerância, revelou a necessidade de resistir em defesa da democracia, da liberdade de expressão, dos direitos civis da população e da universidade pública. Agora, com a chegada da direita conservadora à Presidência da República, a diretoria da Adufs entende que é urgente fortalecer ainda mais a luta.

Além de organizar mobilizações junto à comunidade interna e externa, os professores da Uefs aderiram aos atos públicos realizados por outras entidades, coletivos, sindicatos e movimentos sociais. Estudantes e técnico-administrativos da universidade também protestaram.

Os docentes ainda manifestaram-se contra os ataques de ódio cometidos no país. Um dos ataques infelizmente vitimou mestre Moa do Katendê e, na última semana, um professor da Uefs. A diretoria da Adufs divulgou moção em repúdio à agressão.

PRESSÃO POLÍTICA

A eleição presidencial deste ano, cujo segundo turno ocorreu domingo (28), terminou com a escolha de um representante da política reacionária para presidente. Correm risco a soberania nacional, as riquezas naturais do país, as conquistas históricas do trabalhador e direitos essenciais à sobrevivência da população! E, o mais grave... . Estão ameaçados os valores humanos, a vida!

Para a diretoria, diante da grave conjuntura, a juventude e as organizações da classe trabalhadora, a exemplo dos sindicatos, partidos políticos, centrais sindicais, coletivos e movimentos sociais, terão papel importante na organização da luta coletiva. É urgente espaços de unidade que tenham como objetivo o combate ao avanço do fascismo. Portanto, é importante que a categoria esteja atenta aos chamados que deverão ocorrer. Somente a luta organizada e unificada será capaz de impor freio à agenda reacionária colocada pelas forças retrogradas que estão no Congresso Nacional e na Presidência da República.

Veja mais fotos das mobilizações no Facebook da Adufs.

Compartilhe esta notícia!

LUTA POR MELHORIAS

Diretores da Adufs reúnem-se com a reitoria para discutir pauta interna

Foto: Ascom Adufs
Reunião foi solicitada pela diretoria

A pauta interna da Uefs foi tema de reunião da diretoria da Adufs com o reitor Evandro do Nascimento e a vice-reitora Norma Lúcia Fernandes. Após os diretores exporem parte dos problemas que prejudicam as condições de trabalho e estudo na instituição, os gestores relataram algumas ações a serem realizadas e outras que estão em andamento para minimizar a atual situação.

A diretoria falou sobre a necessidade de melhoria na iluminação do campus, de reformar os banheiros e de ter um espaço para alimentação. Também registrou a falta de ventilação nas salas de aula, de materiais didáticos e de bebedouros, além de solicitar informações sobre a segurança dos docentes que aguardam o ônibus da Uefs em Salvador. Veja a matéria sobre as medidas de segurança adotadas na área onde os professores aguardam o ônibus que sai da capital baiana.

A reunião aconteceu na última segunda-feira (22).

Leia mais. 

Compartilhe esta notícia!

CONQUISTA DA LUTA

Sete novos servidores da Uefs são empossados

Foto: Ascom Adufs
Diretoria da Adufs esteve na cerimônia

Mais seis docentes e um técnico-administrativo aprovados em concursos públicos, realizados pela Uefs, foram empossados. Participaram da cerimônia representantes da diretoria da Adufs, de departamentos, da administração da universidade e do Sintest.

O diretor da Adufs, Gean Santana, parabenizou os novos servidores, ressaltou que o acréscimo deles ao quadro de funcionários da instituição é importante, mas ainda insuficiente para atendimento das atuais demandas acadêmicas, e relembrou que a posse ocorreu por conta da intensa luta dos professores, estudantes e técnicos. O docente também fez um histórico das conquistas da categoria ao longo dos 37 anos de existência da seção sindical e informou, como exemplo, o reajuste nos salários.

Os novos docentes estão lotados nos departamentos de Biologia (Dcbio), num total dois, de Saúde (Dsau), que ganhou outros três, e de Ciências Sociais Aplicadas (Dcis), com mais um professor. A cerimônia de posse ocorreu na última quarta-feira (24).

Leia mais.

Compartilhe esta notícia!


ANDES-SN

STF suspende ações arbitrárias nas universidades. Ministério Público Federal e entidades também são contra a censura nas instituições

A ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar suspendendo atos judiciais e administrativos em universidades contra a livre manifestação de pensamento. A decisão teve o intuito de evitar as ações de censura e perseguição a docentes e alunos, realizadas nos últimos dias por policiais e pela Justiça Eleitoral. 

No dia 29 deste mês, a direção nacional do ANDES-SN publicou uma nota política (veja aqui) sobre os ataques contra docentes e divulgando as iniciativas adotadas pela direção. No documento, orienta que “os/as professores/as se mantenham em tranquilidade, não deixando o pânico se espalhar entre nós e que registrem todos os casos de ameaças e procurem imediatamente a sua seção sindical para fazer denúncia”.

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), também divulgou nota pública na qual reafirma os direitos constitucionais da comunidade acadêmica das universidades brasileiras. Para a PFDC, conceber debates sobre o fascismo como propaganda eleitoral “transborda os limites da razoabilidade” e conceber que o repúdio ao fascismo represente apoio a determinada candidatura seria admitir que a Constituição endossaria tal forma de regime.

Entidades como Fasubra, Sinasefe, Une, Fenet e Anpg também divulgaram, no dia 26 deste mês, carta aberta à sociedade brasileira e à comunidade acadêmica para denunciar os ataques contra a universidade pública.

Universidades baianas
Universidades e sindicatos de docentes, em todo o país, sofreram com ações de policiais e da Justiça Eleitoral. Em sua maioria, as decisões judiciais sustentam que estariam coibindo supostas infrações à legislação eleitoral. Contudo, em todos os casos tratavam-se de manifestações em defesa da democracia e contra o fascismo, que estão sendo interpretados como propaganda eleitoral negativa a candidato de ultradireita. A comunidade acadêmica de universidades baianas também foi vítima desses excessos.

No dia 25 de outubro, estudantes, docentes e técnicos do campus Serrinha da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) foram surpreendidos com notas divulgadas em rádios do município e em redes sociais, que desqualificavam a Uneb enquanto espaço acadêmico. Imagens de estudantes e informações sobre eventos foram manipuladas para insinuar que a universidade seria um espaço de “desrespeito à moral e aos bons costumes”. Ao procurar o Ministério Público, o gestor da unidade acadêmica foi surpreendido com a notificação de suposto crime eleitoral e improbidade administrativa.

No campus Paulo Afonso, ainda na Uneb, a comunidade acadêmica foi surpreendida pela PM. Na ocasião, a polícia, que não entrou no campus, conversou com uma professora e informou ter recebido denúncia sobre o uso do espaço da universidade para a realização de campanha eleitoral. Depois do diálogo com a docente e esclarecida a distorção da informação, os policiais se retiraram da entrada da instituição. O fato aconteceu na última semana.

Ainda há casos de violência. Na Universidade Federal da Bahia (Ufba), Denise Carrascosa, professora do Instituto de Letras, foi ameaçada no saguão do Instituto: “Professora, depois do dia 28, a senhora vai ver”. A reitoria emitiu um comunicado contra o caso e disponibilizou sua Coordenação de Segurança, que está utilizando todos os meios para identificar o agressor.

Fonte: ANDES-SN, com edição.

Compartilhe esta notícia!


CSP-Conlutas

Carteira de trabalho ‘verde e amarela’ pretende mais redução de direitos e precarização

O trabalho informal, precário e análogo à escravidão será oficializado no país com a proposta de criação da carteira de trabalho “verde e amarela”. A proposta foi informada no programa de governo do futuro presidente. O documento se propõe alternativo à carteira de trabalho azul, que garante os direitos que constam na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

De acordo com a medida, o jovem trabalhador poderia escolher entre a carteira azul, com todos os direitos previstos na CLT, ou a carteira verde e amarela, na qual o contrato individual prevaleceria sobre a CLT. No entanto, na prática, sabe-se que a escolha ficará de fato a cargo do patrão, que vai impor a forma que lhe renderá mais lucros.

O registro na atual carteira de trabalho azul garante direitos essenciais aos trabalhadores, entre os quais FGTS, férias, 13º salário. A CLT traz essa proteção de maneira detalhada e protege o trabalhador contra fraudes, condições insalubres e determina especificidades de direitos a depender do segmento, além de reforçar a obrigatoriedade de cumprimento de direitos trabalhistas previstos no artigo 7º da Constituição.

Fonte: CSP-CONLUTAS, com edição.

Compartilhe esta notícia!

Junte-se e lute!

FILIE-SE À ADUFS

"Entendo que vivemos numa sociedade com lutas de classes. Desde que os seres humanos passaram a explorar a força de trabalho uns dos outros, existe a desigualdade social. Quando percebemos a nossa posição enquanto trabalhadores que estão do lado a ser explorado, torna-se essencial a busca por acúmulo de forças e intensificação da luta cotidiana em busca de melhorias. Por isso, ser sindicalizado é fundamental"..


lnah de Oliveira Fernandes - Departamento de Educação (Dedu)

A força do sindicato está em seus/suas filiados (as) e na capacidade de defender os interesses da categoria. Desde a sua criação, em 1981, a Adufs tem pautado a luta em uma prática democrática, coerente e firme na defesa de um projeto de universidade pública.

Participar do sindicato é exercer cidadania, é ser sujeito da sua história. Para filiar-se é preciso preencher um formulário (aqui), autorizar o desconto mensal de 1% sobre os vencimentos, assinar e entregar na Sala da Associação, que fica no Módulo IV (MT 45) da Uefs.

Avenida Transnordestina, MT 45, Novo Horizonte
Campus Universitário - UEFS - CEP 44036-900 - Feira de Santana - BA
Tel: (75) 3161 - 8072 | (75) 3224 - 3368
Email: ascomadufsba@gmail.com
www.adufsba.org.br

Facebook Twitter YouTube

Política de Privacidade | Unsubscribe
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia