Ano X - Edição 464 - 12/06/2018
- Foto: Fórum das ADs

Assembleia avaliará a campanha salarial e os novos rumos da luta

Nesta quarta-feira (13) haverá assembleia dos professores para discutir, dentre outros pontos, a campanha salarial 2018, as dificuldades enfrentadas pelos docentes para a realização das atividades acadêmicas e, diante da atual conjuntura, os encaminhamentos a serem deliberados pela categoria. A assembleia, que contará com um intérprete de libras, será realizada às 16h30, no Auditório 2, Módulo I.

O contexto atual é de cerceamento aos direitos trabalhistas dos docentes, redução da verba de custeio e manutenção das Universidades Estaduais da Bahia (Ueba) e confisco nos salários. Sim! Este governo é o responsável pelo maior arrocho salarial dos últimos 20 anos. Conforme estudo encomendado pelo Fórum das ADs ao Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), de janeiro de 2015 a dezembro de 2017 houve uma perda de 17,42% e para recompô-la é necessário um reajuste de, no mínimo, 21,10%.

Direitos previstos em lei, como o pagamento da reposição inflacionária, que tem o mês de janeiro como data-base, são cerceados. Já são três anos sem o reajuste. É a primeira vez, em 20 anos, que o conjunto do funcionalismo público da Bahia fica três anos consecutivos sem, sequer, ter a reposição! 

Sem falar nas promoções, progressões e mudanças de regime, garantidas a conta-gotas somente após tensionamento da categoria. Outros direitos também veem sendo vilipendiados, enquanto o governo Rui Costa publica inverdades na imprensa sobre a relação estabelecida com as professores.

Mesmo com a gravidade da situação, o governador Rui Costa, responsável por tal situação, sequer tem dado atenção às diversas solicitações do Fórum das ADs para discutir a pauta de reivindicação 2018. Pior! Orientou, no mês passado, a equipe da segurança a impedir o acesso de alguns professores da Uefs que desejavam entregar-lhe a pauta em mãos, durante evento no qual esteve presente, em Feira de Santana.

A diretoria da Adufs entende que Rui Costa e equipe não irão negociar com o Fórum, caso não haja ainda mais cobrança da categoria. As provas de que, para o gestor, a educação pública superior não é prioridade, já são bastante evidentes. No entanto, se pressionado pela força dos docentes, os gestores poderão sinalizar para um acordo.

Diante do descaso do governo, é urgente que todos compareçam à assembleia para discutir os próximos passos das mobilizações e, nas ruas, demonstrar a disposição da categoria à luta.  

Compartilhe esta notícia!

DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA

Comitê Estadual pretende realizar a fase preparatória ao ENE em novembro

Foto: Comitê Estadual em Defesa da Educação Pública
Reunião ocorreu na Uesb

A articulação dos comitês locais e estadual em Defesa da Educação Pública com o objetivo de fortalecê-los para o enfrentamento aos ataques do governo ao setor, mais a realização da fase preparatória ao III Encontro Nacional da Educação (III ENE) no mês de novembro deste foram discutidas em reunião do Comitê Estadual. O encontro aconteceu no último sábado (9), na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), campus de Vitória da Conquista.

Os presentes ainda definiram a construção de uma cartilha do Comitê Estadual contendo o histórico de luta do grupo; mais a inserção, na pauta dos debates dos comitês, da situação dos professores monitores da rede básica de ensino, que trabalham em condições precárias. Uma nova reunião do Comitê Estadual deve ocorrer no dia 4 de agosto, em local a ser definido.

III ENE

O III ENE estava marcado para ocorrer entre 3 e 5 de agosto deste, mas foi adiado para abril de 2019. A atividade, que provavelmente será realizada em Brasília, terá como tema “Por um projeto classista e democrático de educação”.

Segundo o ANDES-SN, o adiamento da terceira edição do ENE se deve à necessidade de maior mobilização e a realização dos encontros preparatórios. 

Compartilhe esta notícia!


ANDES-SN

Capes cria grupo para regulamentar EAD na pós-graduação stricto sensu

Foto: Capes
Atuação do grupo pode ser prorrogada

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) publicou a Portaria 132 no dia 5 de junho, na qual cria um Grupo de Trabalho para regulamentar a Educação à Distância (EAD) na pós-graduação stricto sensu. O grupo tem prazo de funcionamento de 90 dias, podendo ser prorrogado.

O grupo terá a coordenação da Diretoria de Educação à Distância (DED) e da Diretoria de Avaliação (DAV) da Capes e será composto pela Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação (CNE), pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), pela Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais (Abruem) e pelo Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

Também participarão duas entidades que defendem os interesses do mercado na educação: a Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES) e a Associação Brasileira de Educação à Distância (ABED).

Olgaíses Maués, 3ª vice-presidente do ANDES-SN e uma das coordenadoras do Grupo
de Trabalho de Política Educacional (GTPE), afirma que a portaria da Capes oficializa o uso de EAD na pós-graduação stricto sensu, o que significa um maior uso do fundo público pela iniciativa privada.

Fonte: ANDES-SN, com edição. 

Compartilhe esta notícia!

Diante da intransigência dos reitores, greve das estaduais paulistas continua

Foto: Adusp-SSind
Protesto condenou a ação dos reitores

Em reunião realizada em São Paulo, no dia 7 de junho, o Conselho dos Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) manteve a proposta de reajuste salarial de 1,5% para os docentes e servidores técnicos da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp). As categorias reivindicam reajuste de 12,66% para USP e Unicamp e de 16,04% para Unesp. Os docentes da USP e da Unesp estão em greve, e os da Unicamp mobilizados na luta por direitos.

Os docentes da Unicamp realizam nova assembleia nesta terça (12), os da USP na próxima quinta (14) e os da Unesp no dia 15 deste. Na segunda-feira (11), os servidores de USP, Unicamp e Unesp realizaram assembleias e deliberaram manter as respectivas greves.

Os servidores técnico-administrativos das três universidades já estão em greve, assim como os docentes da USP e Unesp. As categorias reivindicam um aumento de 12,66% na USP e Unicamp e de 16,04% na Unesp para recompor as perdas salariais ocorridas desde maio de 2015. Estudantes de algumas unidades da USP e Unesp também já estão paralisando as atividades, adicionando ao movimento a reivindicação por mais verbas para a permanência estudantil.

Fonte: ANDES-SN, com edição.

Compartilhe esta notícia!

Centrais sindicais convocam Dia Nacional de Luta em 10 de agosto

Foto: CUT
Documento norteará as mobilizações

Sete centrais sindicais (CUT, CSB, CTB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT) convocaram um Dia Nacional de Luta para 10 de agosto em defesa dos direitos dos trabalhadores e contra a Emenda Constitucional (EC) 95, do Teto dos Gastos. A convocação foi divulgada durante um ato realizado em São Paulo, no dia 6 deste, quando as centrais lançaram uma carta chamada Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora. O documento lista 22 propostas para o desenvolvimento do Brasil.

A Agenda Prioritária, segundo a CUT, norteará as ações e mobilizações da classe trabalhadora para o próximo período, em especial no Dia Nacional de Luta previsto para 10 de agosto. Além de ser uma ferramenta de trabalho dos sindicalistas para o debate público, a “Agenda” será entregue para os parlamentares e candidatos para as eleições de 2018.

Entre as 22 propostas estão: a revogação da EC 95; ações imediatas para combater o desemprego, como a retomada das obras públicas; a regulação do direito de negociação coletiva para os servidores públicos; a jornada de trabalho de 40 horas semanais; a revogação dos aspectos negativos da Reforma Trabalhista e da Lei das Terceirizações e o direito à previdência pública.

BAHIA
Na Bahia, a CSP-CONLUTAS está envidando todos os esforços para, em unidade com outras entidades, construir o Dia Nacional de Luta. Uma reunião será realizada até a próxima semana, em Salvador, para discutir, dentre outros pontos, a organização da ato.

Fonte: ANDES-SN, com edição. 

Compartilhe esta notícia!


CSP-Conlutas

Pesquisa revela aumento da violência contra jovens negros e mulheres no Brasil

Foto: CSP-CONLUTAS
Foram 62.517 mortes em 2016

A divulgação do Atlas da Violência 2018, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revela que há uma matança da juventude negra e de mulheres no Brasil. Foram 62.517 mortes em 2016, o que faz o país ultrapassar a marca de 30 homicídios por 100 mil habitantes. Entre 2006 e 2016, um total de 553 mil pessoas perderam a vida por assassinato.

Houve crescimento na quantidade de jovens assassinados em 20 estados, com destaque para Acre (aumento de 84,8%) e Amapá (41,2%), seguidos por Rio de Janeiro, Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte e Roraima. A taxa de homicídios de pessoas de 15 a 29 anos (65,5 mortos por 100 mil habitantes) é o dobro da média nacional e mais de seis vezes a taxa global de homicídios de jovens (10,4), segundo a Organização Mundial da Saúde.

Se considerado o período de 2006 a 2016, o aumento na taxa de homicídios de jovens foi de 23%. Em 11 anos, o Brasil enterrou 324.967 jovens assassinados – quase sete vezes o número de soldados americanos mortos em 20 anos da Guerra do Vietnã.

Para a integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas e do Setorial de Negros e Negras, Claudicea Durans, as estatísticas revelam os resultados perversos do racismo e machismo mantidos na sociedade. “Pesquisas seguem confirmando o que os movimentos sociais e contra a opressão denunciam: há um genocídio da juventude negra no país, em muitos casos agravados pelo machismo, quando vemos que as mulheres negras também são mais atingidas em comparação com a situação de mulheres não negras”, disse.

Fonte: CSP-CONLUTAS, com edição.

Compartilhe esta notícia!

Petroleiras estrangeiras fazem a festa com o petróleo do Pré-Sal em leilão feito por Temer

O governo corrupto de Michel Temer realizou o leilão da 4ª Rodada de Partilha das áreas do Pré-Sal. Foi entregue para petroleiras estrangeiras três das quatro áreas ofertadas por R$ 3,15 bilhões, valor irrisório diante das reservas estimadas nos blocos arrematados. A cerimônia ocorreu no dia 7 deste mês.

A Petrobrás, como era de se esperar, atuou de forma secundária e foi superada por petroleiras estrangeiras em duas áreas em que tinha manifestado interesse. Teve de exercer o chamado “direito de preferência” para integrar os consórcios vencedores. O bloco do pré-sal Uirapuru foi disputado por 4 consórcios, Três Marias por 2 e Dois Irmãos recebeu apenas uma oferta, sendo arrematado pelo preço mínimo fixado pelo leilão. A área de Itaimbezinho, localizada na Bacia de Campos, foi a única que não teve nenhum interessado.

Neste modelo, as empresas vencedoras são as que oferecem ao governo o maior percentual de óleo excedente da futura produção. Esse excedente é o volume de petróleo ou gás que resta após a descontar os custos da exploração e investimentos.

Protesto
Barrados no “feirão” do Pré-Sal, representantes da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Sindipetro-RJ, SOS Emprego, entre outras entidades, realizaram um protesto em frente ao Hotel Grand Hyatt, Barra da Tijuca, cercados por mais de 50 integrantes do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

“Fizeram a entrega de mais uma parte do patrimônio nacional a preço de banana. O petróleo do pré-sal representa uma riqueza imensurável e poderia ser usada para garantir educação e saúde de qualidade, por exemplo, mas está sendo dilapidado pelo governo Temer, assim como também ocorreu no governo Dilma, que realizou a maior privatização da história com o leilão de Libra”, disse o dirigente do Sindipetro-RJ e da FNP, Eduardo Henrique.

Fonte: CSP-CONLUTAS, com edição. 

Compartilhe esta notícia!

Processo contra militantes do Quilombo Urbano em razão de protesto é arquivado

Depois de dois adiamentos, o processo contra os quatro militantes do Quilombo Urbano, do Maranhão, foi arquivado. Uma importante vitória dos trabalhadores e do povo pobre, diante de tantas ações que vêm criminalizando os movimentos sociais, em um país onde a maior parte da população vive de forma desumana.

O processo contra os manifestantes foi iniciado após um protesto por saneamento, realizado por moradores dos bairros Coroado, Redenção e João Paulo, no dia 6 de novembro de 2017. O ato terminou com mais uma ação truculenta da tropa de choque da Polícia Militar (PM), que chegou reprimindo fortemente os manifestantes.

Por conta dessa ação, quatro militantes do Quilombo Urbano foram brutalmente agredidos, algemados e levados detidos para a delegacia. Dias depois, os manifestantes souberam que estavam sendo processados com base no artigo 129 do Código Penal, que trata sobre “ofensa à integridade corporal ou a saúde de outrem”, com pena de detenção, de três meses a um ano.

Lutar não é crime! Por dignidade! Contra o machismo e todas as formas de opressões! Fora Temer! Fora todos!

Fonte: CSP-CONLUTAS, com edição.

Compartilhe esta notícia!

Junte-se e lute!

FILIE-SE À ADUFS

“"A formação dos sindicatos é resultado de lutas históricas de diversas mulheres em todo o planeta. Sou filiada à Adufs, pois, compreendo que essa luta é permanente, contínua e necessária. Nenhum direito a menos!”.”.


Adriana Lima - Professora do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas (Dcis)

A força do sindicato está em seus/suas filiados (as) e na capacidade de defender os interesses da categoria. Desde a sua criação, em 1981, a Adufs tem pautado a luta em uma prática democrática, coerente e firme na defesa de um projeto de universidade pública.

Participar do sindicato é exercer cidadania, é ser sujeito da sua história. Para filiar-se é preciso preencher um formulário (aqui), autorizar o desconto mensal de 1% sobre os vencimentos, assinar e entregar na Sala da Associação, que fica no Módulo IV (MT 45) da Uefs.

Avenida Transnordestina, MT 45, Novo Horizonte
Campus Universitário - UEFS - CEP 44036-900 - Feira de Santana - BA
Tel: (75) 3224 - 8072 | 3224 - 3368
Email: ascomadufsba@gmail.com
www.adufsba.org.br

Facebook Twitter YouTube

Política de Privacidade | Unsubscribe
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia